Queria me apaixonar de novo


Eu sempre tive relacionamentos complicados, sempre achei que o problema estava nas outras pessoas, mas hoje vejo que o problema sou eu, o cara pra namorar comigo tem que ser muito paciente, pois sou um leonino ciumento pra caramba./

Assim eu começo a postagem de hoje.
Outro dia eu estava ouvindo músicas que embalaram a minha adolescência, de Eminem a Avril Lavigne e Banda Calypso, muitas memórias vieram á tona, lembranças de um garoto sonhador que saiu cedo de casa em busca de realizar suas vontades e sonhos, hoje fico pensando o que houve com este garoto, de repente me pego em uma vida cômoda, com um emprego cômodo, coisas cômodas, raciocínio nunca foi o meu forte, mas ultimamente tenho estado muito reflexivo com minha vida, seja na área do amor, do trabalho e da família, fico aqui pensando o que aconteceu comigo que não sou mais tão sonhador, realizei muitos dos meus sonhos, coisas simples, mas que naquela época da adolescência por não estarem ao meu alcance, eram tão sonhadas. A verdade é que eu queria me apaixonar de novo, depois de algumas decepções com relacionamentos em diversos segmentos, seja na amizade, na família e até mesmo quando nos referimos ao coração, ao que designamos amor, nunca fui de exigir muito, as coisas foram acontecendo e fluindo, fluindo até que gradativamente este fluir acabou derramando...

O que eu queria mesmo hoje era voltar no tempo e mudar algumas coisas, cuidar mais do coração e agir mais com a razão do que com os sentimentos, na vida, um do meus maiores problemas estão relacionados aos sentimentos. Fico olhando horoscopo, leio livros de auto ajuda, ouço pessoas mais velhas, porém, acabo agindo com o coração, será que isso é amor, amar demais e sempre quebrar a cara? Será que eu sou tão problemático assim? Olhando para todo o contexto de minha vida, vejo nela o reflexo da vida de outra pessoa, será que isso está entranhado em mim... Até quando esse medo, esse desgosto pela vida vai continuar, as pessoas não querem se decepcionar, mas decepcionam as outras, expectativas não devem ser criadas? Carinhos não devem ser expostos? Estou tão confuso em relação ao meu lado sentimental que quando ajo racionalmente, acabo sendo orgulhoso.

Viajei, conheci as duas cidades que eu mais queria conhecer neste Brasil, amei, me decepcionei, voltei, mas ainda não perdoei de fato, pois quando perdoamos de verdade não ficamos lembrando do sofrimento e muito menos damos tanto palco a ele.

Agora uma coisa é certa nisso tudo, tantos sonhos realizados e tantas decepções também, por que que as decepções se tornam maiores que as coisas boas vividas? Por que o desgosto vem mais forte que o gosto? Nós seres humanos temos o hábito de entonar o que é ruim e desvalorizar e fadar ao esquecimento as coisas boas. Preciso, eu quero me apaixonar de novo, mas não por outra pessoa, apaixonar de novo por eu mesmo.

Talvez este seja o mal do século, as pessoas tem procurado mais carinho, porém, procuram que outras pessoas possam satisfazer este carinho, contudo, este carinho deve vir de si mesmo, pois quando nos amamos, somente assim, podemos amar outro alguém. Agora diga-me, quantas vezes você já deixou de se amar para entregar este amor a outro alguém? Quantas vezes você se calou em uma tomada de decisão para que a decisão de outra pessoa prevalecesse? Quantas vezes você se anulou por outro alguém, seja um amigo, um parceiro, um chefe, um namorado, um irmão, seja quem for, quantas vezes você esqueceu de si mesmo para lembrar de outro alguém? Várias vezes, tenho certeza que esta é a sua resposta, para agradar outros, muitas vezes nos desagradamos, e isto é preciso mudar, relacionamento não se faz só de vontade de uma pessoa, mas sim de ambas, com isso, aprendemos sobre compreensão, entrega, empatia e sim, aprendemos sobre o amor, amar não é se anular para outro, é fazer junto e amar fazer isso. Mude sua história e a de suas relações com reflexão, diálogo e calma, muita calma, pois mudanças pedem tempo e medem ações para que sejam incorporadas ao cotidiano gradativamente até se tornarem um hábito, o amor próprio e o amor próximo, é isto, um hábito, práticas diárias de auto conquista e conquista do outro..

Obrigado pelo carinho dos meus leitores, espero que me compreendam nesta mensagem, encontrem seu próximo e encontrem a si mesmo.

Rodrigo Flecha
Blog Do Rammil.2017.Janeiro.